quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Dilma não é do ISIL mas também é fundamentalista

A Presidente Dilma, em recente pronunciamento em Nova Iorque, afirmou ser contrária à coalizão encabeçada pelos EUA em resposta ao terrorismo do "Estado Islâmico". Ainda que seja criticável a política externa americana, principalmente se recordamos que Washington apoiou os grupos "rebeldes" sírios dentre eles o ISIL, a intervenção militar, com um atraso de meses, busca solucionar a carnificina que atingiu níveis epidêmicos. Por mais que confusas alianças dos EUA tenham prejudicado os cristãos e as minorias e fortalecido o terrorismo, é incontestável que sem a liderança americana uma eficiente resposta de força nunca sairia do papel. 

Contudo, Dilma parece viver num mundo político paralelo. A comparação do atual contexto do Oriente Médio com o Iraque de 2003 é completamente desprovida de sentido. Realidades distintas, inimigos com métodos diferenciados e uma brutalidade presente que faz a Al-Qaeda parecer um grupo "humanitário". Ademais, a Presidente do Brasil, partindo da cosmovisão petista, prefere partidarizar problemas que resolvê-los. Criticar a ação dos EUA, com apoio de dezenas de nações, inclusive árabes e muçulmanas, é colocar os pressupostos ideológicas como norteadores do bom senso.

Os EUA estão realizando ações conjuntas com o Irã em território iraquiano e já se esboça uma aliança com o Hezbollah para enfrentar o "Estado Islâmico" na fronteira com o Líbano. Entretanto, é mais fácil tecer uma parceira entre Washington e Teerã, superando décadas de rancor mútuo, que uma aliança entre Washington e Brasília. O Brasil do PT abraça com um fundamentalismo digno do ISIL as suas posições partidárias. 

1 comentários:

Vanderlei Alves disse...

O senhor tem toda razão em suas observações, pois se essa senhora "sic" Dilma, não se arrependeu de participar de uma organização terrorista que, a décadas atrás, não media esforços para implantar um regime ditatorial no Brasil, nos moldes dos piores regimes comunistas existentes, porque estranhar que ela, por motivos políticos ideológicos torpes, desaprove uma ação que vai de encontro de suas perspetivas reprováveis, mesmo que esta mesma iniciativa tenha um caráter humanitário, antes de qualquer outro fator. Para essa (in)dignatária, tudo é político, dos átomos ao cosmos, e toda política deve ser esquerdista, senão não é boa política. Espero que Deus e a população nos livre desse governo vil, o mais rápido possível. Parabéns pelo seu texto, passar bem e Pax Dominus. O senhor tem toda razão em suas observações, pois se essa senhora "sic" Dilma, não se arrependeu de participar de uma organização terrorista que, a décadas atrás, não media esforços para implantar um regime ditatorial no Brasil, nos moldes dos piores regimes comunistas existentes, porque estranhar que ela, por motivos políticos ideológicos torpes, desaprove uma ação que vai de encontro de suas perspetivas reprováveis, mesmo que esta mesma iniciativa tenha um caráter humanitário, antes de qualquer outro fator. Para essa (in)dignatária, tudo é político, dos átomos ao cosmos, e toda política deve ser esquerdista, senão não é boa política. Espero que Deus e a população nos livre desse governo vil, o mais rápido possível. Parabéns pelo seu texto, passar bem e Pax Dominus. Vanderlei Alves Pereira Júnior

Postar um comentário